#16 Métodos: cinco erros comuns

Confira o vídeo completo no Canal Descomplicado (YouTube)

 

Olá pessoal, neste texto, vou falar sobre cinco erros que você deve evitar quando estiver escrevendo os métodos do seu trabalho. Vamos juntos?

 

Na formulação dos métodos, já existem erros muito conhecidos por editores e pareceristas de artigos científicos. Tenho certeza que a sua banca de TCC, dissertação ou Tese, também não vai querer encontrar estes erros. Vamos aos principais erros.

 

Erro número 1

 

Não respeitar a cronologia das coisas na descrição do método.

 

Existe uma ordem natural com que cientistas realizam determinadas tarefas.

 

Por exemplo, primeiro você escolheu uma determinada base de dados, depois você organizou os dados, depois você integrou essa base de dados a uma outra base de interesse.. e ai você aplicou um método estatístico.

 

Percebe que se você apresentar isso fora de uma lógica cronológica, a sua metodologia poderá ficar estranha?

 

Erro número 2

 

Adicionar conteúdo irrelevante na sua metodologia.

 

Este é um erro comum a todos os tópicos do trabalho. Você não vai querer adicionar conteúdo irrelevante em nenhuma sessão do seu artigo.

 

Na metodogia, você deve ir direto no ponto. Não exagere no detalhamento de informações que são apenas background ou pano de fundo.

 

Um tipo de informação irrelevante muito comum em artigos que eu avalio, tanto como editor da Revista Espinhaço, como nas ocasiões que trabalho como parecerista, é a explicação de detalhes relacionados a experiência pessoal do autor com o tema ou de coisas ou curiosidades que aconteceram durante a pesquisa que não tem nada haver com o método em si.

 

Tome muito cuidado com isso, pois este tipo de erro é muito grosseiro e infelizmente comum. Portanto, não personalize a descrição dos métodos e de qualquer parte da sua pesquisa. Tem coisas coisas, que só são de interesse da família e dos amigos.

 

Erro número 3

 

Explicação desnecessária de procedimentos muito básicos e amplamente conhecidos.

 

Você não está escrevendo um guia prático para ensinar as pessoas sobre um método específico. Se o método já é muito conhecido, apenas uma breve descrição já é suficiente.

 

Nesse caso, o foco deve ser em como você aplicou o método e não nos mecanismos básicos de funcionamento do método.

 

Apenas realize uma descrição mais aprofundada se escolher uma técnica pouco usual ou se você apresentar alguma inovação metodológica. Já falei sobre isso numa aula anterior, mas não custa nada reforçar.

 

Erro número 4

 

Ocultação de problemas ou de limitações do seu método.

 

É muito comum encontrar problems na coleta de dados ou na geração de informações. Não finja que problemas não aconteceram.

 

Se um autor resolver replicar o seu estudo ou trabalhar com a mesma base de dados ou informações, ele vai descobrir isso.

 

Ao invez de esconder informações importantes, registre como você superou possíveis obstáculos. Isso pode, inclusive, ser parte muito interessante da sua metodologia. Outros autores poderão, após o seu texto ser publicado, buscar soluções melhores do que a sua para estes problemas identificados. Isso faz parte do crescimento da ciência.

 

Erro número 5

 

Ignorar a literatura existente.

 

Mesmo que você cite muitos trabalhos na sua introdução e discussão, isso não significa que poderá ignorar trabalhos relevantes que te ajudarão a explicar os métodos do seu trabalho.

 

Cite corretamente a literatura. Se não foi você que inventou um procedimento metodológico, cite a literatura base.

 

Mesmo que você crie algo inovador, você deverá citar as bibliografias que contribuíram para essa construção. Pense nisso!

 

Bom, espero muito que você não cometa nenhum desses 5 erros. Assim você terá uma metodologia bem amarrada e verdadeiramente útil para seus leitores. Já cometeu algum outro erro que eu tenha esquecido? Conte pra gente nos comentários.

 

Até mais pessoal!

 

Confira o vídeo completo no Canal Descomplicado

Please reload

© 2018 por Douglas Sathler | Canal Descomplicado | UFVJM